314422 314422
  • jorgecaixote

Populários e populistas, democracias fraudulentas

Os regimes ditos fascistas e comunistas em nada diferem, sendo ditaduras que vivem da repressão a ideais que se lhes opõem. Quando os dirigentes sociais conseguem formas de governo mais igualitárias, regimes onde todos podem manifestar as suas ideias, existem sempre radicalismos, interesses próprios originando novas formas de manipulações de massas.

Caímos assim na génese das novas ditaduras a que chamaremos de populistas. O novo populismo nasce da tradição medíocre, é o herdar da miséria dos seus antepassados na forma da estupidificação das novas gerações. A tentativa de apagar a erudição, os pecados da liberdade e da ciência.

O populismo baseia-se na xenofobia, na repressão e na tortura. É a nova forma ditatorial onde a modernidade vive de uma moral cor-de-rosa e as populações se baixam pelas côdeas que vão faltando. Baseia-se no medo da miséria ameaçadora e promete a ascensão social milagrosa.

Nascem os novos regimes populistas baseados no reacionarismo, na hierarquia e na militarização. Os seus dirigentes aclamados pelas maiorias estupidificadas, denotam as qualidades da burrice. Apenas utilizam a força, prendendo e mantando as pessoas quando manifestam o seu desagrado.

Temos uma nova forma de mandar num futuro aniquilador e embrutecedor. A demência das populações será o sua própria inceneração, a mentira dos seus dirigentes uma nova obscura idade média de fausto e fome. Será o reacender das guerras religiosas, a negritude do carvão.

Damos o lugar à incompetência para a aniquilação de espécie. Elegemos os nossos próprios carrascos, regredimos construindo os muros da míngua gerando o genocídio e a pobreza geral. Em vez da ideia de aldeia global teremos a guerra dos bairrismos. Cada cor obedecerá às estritas regras para obter a água e o pão escassos.

Os regimes ditos fascistas e comunistas em nada diferem, sendo ditaduras que vivem da repressão a ideais que se lhes opõem. Quando os dirigentes sociais conseguem formas de governo mais igualitárias, regimes onde todos podem manifestar as suas ideias, existem sempre radicalismos, interesses próprios originando novas formas de manipulações de massas.

Caímos assim na génese das novas ditaduras a que chamaremos de populistas. O novo populismo nasce da tradição medíocre, é o herdar da miséria dos seus antepassados na forma da estupidificação das novas gerações. A tentativa de apagar a erudição, os pecados da liberdade e da ciência.

O populismo baseia-se na xenofobia, na repressão e na tortura. É a nova forma ditatorial onde a modernidade vive de uma moral cor-de-rosa e as populações se baixam pelas côdeas que vão faltando. Baseia-se no medo da miséria ameaçadora e promete a ascensão social milagrosa.

Nascem os novos regimes populistas baseados no reacionarismo, na hierarquia e na militarização. Os seus dirigentes aclamados pelas maiorias estupidificadas, denotam as qualidades da burrice. Apenas utilizam a força, prendendo e mantando as pessoas quando manifestam o seu desagrado.

Temos uma nova forma de mandar num futuro aniquilador e embrutecedor. A demência das populações será o sua própria inceneração, a mentira dos seus dirigentes uma nova obscura idade média de fausto e fome. Será o reacender das guerras religiosas, a negritude do carvão.

Damos o lugar à incompetência para a aniquilação de espécie. Elegemos os nossos próprios carrascos, regredimos construindo os muros da míngua gerando o genocídio e a pobreza geral. Em vez da ideia de aldeia global teremos a guerra dos bairrismos. Cada cor obedecerá às estritas regras para obter a água e o pão escassos.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

0351968140856

©2020 por Templars. Orgulhosamente criado com Wix.com

314422